14/02/2007

O que é Amar

.

Ausente dele ou porque me excede, não, não falo de amor...
Deixo que outros falem por mim porque o fazem melhor do que eu...

Obrigada Éric pelo teu contributo!


Já não há filósofos nem poetas
Que me digam, hoje,
o que é amar.

O que é gostar de alguém como se gosta de um Deus,

O que é ouvir embevecido
a voz doce e penetrante
de quem se ama,

O que é ficar arrepiado
quando o frio da noite já passou,

O que é acalorar-se
quando a brisa da janela passa,

O que é sentir o coração bater descompassado
quando o nome do amado é soletrado,

O que é estar à espera
sentado no telefone
da palavra “semprevoucontigo”,

O que é ficar prostrado e moribundo
quando o dia do encontro é adiado,

o que é ser trespassado
pela força desse beijo quente
que se dá,

o que é cheirar inebriado o corpo nu
que se entrelaça em nós,

O que é ficar corado de vermelho vivo
quando o sangue corre lesto
pelo torso inteiro
anunciando em espasmos brancos
os cumes todos que trepamos
quando somos um,
em dois, em nós.


Não
não sei o que é Amar.
Sei apenas o que sinto que seja.

E digo-o aqui
como se ninguém antes
nada tivesse dito sobre isso
e eu fosse o primeiro a desvendá-lo.


Mas vejo agora
que o disse,
que tudo isto é mentira
e não existe:


eu nunca senti nada disto que vos disse
nem vou voltar a sentir.
25/04/2006

António Pinheiro


1 comentário:

zizito disse...

quem assim está ausente de amor, só pode estar enganada, perdoa-me a ousadia;
um poema de amor contraditório como se o amor não se entendesse em si mesmo