24/10/2010

O Verdadeiro Gesto de Amor


«Aquilo que de verdadeiramente significativo podemos dar a alguém é o que nunca demos a outra pessoa, porque nasceu e se inventou por obra do afecto. O gesto mais amoroso deixa de o ser se, mesmo bem sentido, representa a repetição de incontáveis gestos anteriores numa situação semelhante. O amor é a invenção de tudo, uma originalidade inesgotável. Fundamentalmente, uma inocência. »

Fernando Namora, in 'Jornal sem Data'









Fonte: www.citador.pt

4 comentários:

Anónimo disse...

Lindo mas utópico, pois nós somos o nosso vivido.
Até breve!

Irene disse...

Permite-me discordar...
Nós somos o que acreditamos ser ou ter sido. O que nos é mais conveniente.
A vida é uma construção: e cada dia com novos materiais!
Bj

Anónimo disse...

Não acredito na novidade, acredito na renovação.

Irene disse...

pois, somos diferentes! para mim, águas passadas não movem moinhos!a vida é como o rio... nunca é a mesma água... ou como um livro... vira-se a página e temos um novo capítulo!